Blogção, o Blog do Mição

www.blogcao.mition.net / www.mition.net

Ufologia e Espiritismo

Posted by Mição em 26/março/2009

Fonte: Revista Cristã de Espiritismo – Edição 42 – por Paulo Gustavo Mattos – 04/09/2007

naveCom o surgimento da codificação espírita, no século dezenove, muitas pessoas aqui no Ocidente tiveram a oportunidade de tomar conhecimento, ou melhor, de resgatar, de forma direta e clara os conhecimentos em torno do seu contexto espiritual evolutivo como, também, entender a estreita relação de intercâmbio entre o mundo dos “mortos” com o que se entende como o mundo dos “vivos”.

Disseram os espíritos de ordem mais elevada, de maneira racional e lógica, que o ser humano não é, como muito se pensava e ainda se pensa, o centro de toda a criação divina. Que o estado “hominal” é apenas a etapa de um processo muito maior, que se desencadeia ininterruptamente por todo o Universo.

Tomamos conhecimento de algumas leis universais que regem o desenvolvimento dos seres animados e inanimados, das menores partículas subatômicas aos grandes astros, dos seres vinculados à matéria aos habitantes de outras esferas existenciais.

Novos horizontes, então, surgiram nas mentes cujo materialismo era a única realidade existencial. Para os religiosos – claro que não todos – essa grande revelação espiritual trouxe maiores facilidades para a compreensão dos fenômenos “miraculosos” e “sobrenaturais” e ainda, o fortalecimento da fé, sustentada por bases sólidas e consoladoras.

Desde os primeiros escritos sobre o Espiritismo, através do trabalho codificador de Allan Kardec, já se passaram, aproximadamente, cento e cinqüenta anos e, apesar disso, muita resistência ainda se encontra em uma sociedade que se apega, em grande parte, aos transitórios valores da vida ao invés de adentrar e abraçar valores concernentes ao enobrecimento da alma. Não estamos defendendo que a melhor atitude de todos os seres humanos seria abraçar o Espiritismo como doutrina espiritualista, porém, que a melhor atitude humana seria enobrecer a sua alma, através de obras morais em si e no mundo.

Quando, de tempos em tempos, surgem novos conhecimentos, novos pontos de vista, novos conceitos e descobertas, é natural que apareçam as contradições, pois, afinal, o contato com o novo exige a modificação de paradigmas já estabelecidos e, conseqüentemente, as necessárias mudanças no modo de se viver e de se encarar o mundo, o que nem sempre agrada a todos. Foi assim na época da passagem carnal de Jesus pela Terra, foi assim com o surgimento da doutrina espírita e certamente está sendo com tudo o que vem surgindo nos dias atuais. O pensamento humano está em constante modificação e os conceitos e entendimentos sobre o mundo que o cerca vão se ampliando a cada dia.

Se fizermos uma retrospectiva até certo período da História, abordando apenas a partir da era cristã, vamos encontrar exemplos claros dessas modificações que se processam naturalmente. Podemos lembrar Cláudio Ptolomeu, um astrônomo, matemático, físico e geômetra do século II que, influenciado pelas idéias de Hiparco, adota o sistema Geocêntrico, ou seja, “a Terra é o centro do Universo e tudo gira ao seu redor”, pensamento este que influenciou a Igreja Católica por quatorze séculos e era tido como verdade inquestionável.

Evolução da humanidade

Essa visão de mundo, ou melhor, do Universo, permaneceu no entendimento de um número expressivo de pessoas até que surgiu o também astrônomo, polonês, do século XV-XVI com uma idéia inovadora, colocando em sua teoria que o verdadeiro centro é o Sol e que tudo giraria em torno desta estrela, incluindo o planeta Terra. Esta teoria viria a ser confirmada por Galileu Galilei décadas depois. Hoje, pelos avanços da Ciência e da tecnologia – conseqüentes da maturação do pensamento humano – já temos condições de compreender fatos cada vez mais expressivos, como as órbitas solares, a existência de um número infindável de galáxias – graças aos estudos de Huble –, os buracos negros, a constante expansão e contração cósmica, bem como adentrar o mundo quântico e nos deparar com descobertas e revelações cada vez mais inovadoras e inquietantes.

O engraçado é perceber que, apesar de já termos pleno conhecimento de que a Terra não é o centro do Universo – aliás, ela está simplesmente na periferia da Via Láctea, a nossa galáxia – muitos ainda não se desapegaram da idéia e do conceito de sermos o centro da criação divina. Se já se superou, há muito, o conceito de Geocentrismo, por que não se elimina, através do raciocínio lógico, a idéia do Antropocentrismo (homem como centro da criação divina).

Ainda parece difícil para muitos, aceitarem a idéia de não estarmos sozinhos no Universo, de que outras civilizações planetárias compartilham conosco a extensão cósmica e de que muitas delas aqui estão desde o surgimento do homem e de todo ser vivente sobre o planeta Terra, atuando, discretamente ou ostensivamente, tendo sido registradas estas ocorrências ao longo da História, através da arte, de escritos, registros arqueológicos e, mais recentemente, através de fotos e relatos de pessoas que tiveram a oportunidade de, através dos sentidos materiais ou de faculdades mediúnicas, presenciar fenômenos e situações que comprovassem a realidade desta atuação extraterrestre junto à humanidade.

Infelizmente, as questões que se referem ao contexto extraterrestre ainda são encaradas por muitas pessoas como algo aterrorizante, ou então, como algo sem importância e apenas do interesse de ufólogos. No meio científico, apesar de ainda não ser provado, não há mais a discussão se existe ou não vida em outros planetas do Universo, tamanha é a lógica existente no raciocínio humano ao se analisar e estudar a imensidão cósmica. Porém, apesar disso, continuamos a nossa teimosia e, às vezes, até negamos definitivamente a possibilidade de vida inteligente em outros mundos, ou então, preferimos não falar sobre o assunto em público porque podemos ser taxados de loucos, ou pior, podemos assustar alguns e ferir a sensibilidade religiosa de outros.

Em algumas ocasiões, nos nossos grupos de trabalho mediúnico, os mentores espirituais nos esclareceram que muitos ainda têm medo ou desconforto ao tratar do assunto, porque é como se ninguém em nosso mundo tivesse uma “arma” para se defender, pois os poderes e desenvolvimentos tecnológicos destes seres aos quais chamamos de extraterrestres vão além das nossas possibilidades científicas atuais, estão mais adiantados e, tudo o que nos é desconhecido acabamos, numa atitude defensiva, considerando inimigo ou coisa parecida.

Preconceito com a Ufologia

Mas acontece que, até hoje, muitos espíritas que tiveram a oportunidade de tomar contato com as revelações do Alto, com os conhecimentos básicos em torno da filosofia existencial, não aceitam tratar o assunto como tema de importância relevante para o movimento espírita da atualidade e chegam até a dizer que falar de extraterrestre não é coisa para espíritas sérios se ocuparem. Assim, parece até que o assunto é contraditório à doutrina espírita, o que não é realidade, pois ao se estudar as obras básicas da codificação podemos encontrar inúmeras passagens e questões em que os espíritos e também Allan Kardec tratam do assunto com muita seriedade. Aliás, não seria absurdo alguém dizer aqui que, dentre os espíritos que se ocuparam com a codificação do Espiritismo, muitos nunca haviam habitado o planeta Terra, ou seja, vinham de outros mundos e, por isso mesmo, na nossa linguagem, eram extraterrestres. Confirmando isso, podemos verificar a introdução de O Livro dos Espíritos, no primeiro parágrafo 1 do item VI, quando Kardec dizia “…os próprios seres que se comunicam se designam a si mesmos pelo nome de Espíritos ou Gênios, declarando, alguns, pelo menos, terem pertencido a homens que viveram na Terra.”, ou seja, aqueles que não faziam parte desses “alguns” que viveram na Terra, segundo nosso raciocínio, vieram de outras moradas, de outros orbes que não a Terra. Mais adiante, neste mesmo livro, no “Prolegômenos”, no sétimo parágrafo, Kardec também dizia: “Em o número dos Espíritos que concorreram para a execução desta obra, muitos se contam que viveram, em épocas diversas na Terra…”, ou seja, não disse todos, mas sim, muitos, o que é bem diferente.

A questão da vida em outros planetas, bem como a atuação ou relação de seus habitantes conosco, aqui na Terra, foi abordada em um número expressivo de vezes pelos espíritos superiores que transmitiram toda essa gama de conhecimentos aos humanos encarnados. E, por isso mesmo, não podemos deixar passar despercebidamente ou encarar de forma menos digna este assunto, que tanto está se mostrando presente nos dias atuais da humanidade terrestre. Breve será o dia em que poderemos, ou melhor, nos graduaremos a tal ponto que será possível compreender que não somos os únicos a habitar toda a extensão cósmica e, quem sabe, poderemos conviver harmoniosamente com outras civilizações planetárias.

Os espíritos superiores nos ensinam que todos os globos que se movem no espaço são habitados por seres mais ou menos evoluídos que a humanidade terrestre, como respondem à questão 55 de O Livro dos Espíritos: “…o homem terreno está longe de ser, como supõe, o primeiro em inteligência, em bondade e em perfeição.” E ainda acrescentam que quando nos achamos os únicos do Universo, o centro das atenções de Deus, nada mais estamos que exercendo o nosso orgulho descabido e prepotente: “Entretanto, há homens que se têm por espíritos muito fortes e que imaginam pertencer a este pequenino globo o privilégio de conter seres racionais. Orgulho e vaidade”

E, ainda, o que pode parecer espantoso para algumas pessoas, nós, habitantes desta morada planetária, também já viemos de outros mundos em tempos mais ou menos idos, em encarnações passadas, quando por processos de rebeldia às leis divinas do progresso não acompanhamos o desenvolvimento moral destas moradas, tendo, pela bondade de Deus, a oportunidade de sermos exilados em um mundo menos desenvolvido para dar continuidade ao aprendizado espiritual desperdiçado. Aqui nos referimos à quase totalidade dos homens e mulheres, encarnados e desencarnados. E, se não são todos, é porque, graças a Deus, muitos que aqui nasceram e nascem vieram e vêm para o cumprimento de missões, para impulsionar os seres que aqui vivem no seu desenvolvimento, nas diversas áreas do conhecimento e do trabalho. Sobre isso, diz a questão 176 (L.E.): “Depois de haverem encarnado noutros mundos, podem os Espíritos encarnar neste, sem que jamais aí tinham estado?”. E o espíritos respondem sabiamente: “Sim, do mesmo modo que vós em outros. Todos os mundos são solidários: o que não se faz num faz-se noutro”. Na questão seguinte, Kardec continua a perguntar: “Assim, homens há que estão na Terra pela primeira vez?”, e Eles o respondem: “Muitos, e em graus diversos de adiantamento”. Estes são apenas alguns exemplos que deixam claro a abordagem da questão extraterrestre de forma natural pelos mentores espirituais. Em artigos futuros abordaremos melhor a reencarnação nos diferentes mundos.

O que os espíritos superiores tentam nos mostrar com esses ensinamentos, talvez, é a necessidade de ampliarmos os nossos horizontes e de que percebamos a realidade do que nos cerca constantemente. É inevitável admitir que uma hora ou outra, daqui mais ou menos anos, estaremos convivendo normalmente com seres que vêm de outras paragens cósmicas com suas diversas finalidades e, também, os habitantes da Terra poderão ir até estas outras moradas, intercambiando as mais diversas informações e sentimentos, úteis ao progresso geral dos seres.

Muitos desses nossos irmãos mais velhos sempre estiveram e estão presentes no auxílio a esta humanidade terrestre, como nos ensina o Espiritismo. Vêm como obreiros e mensageiros do Pai Celestial, sustentando o desenvolvimento constante do planeta, logicamente, num trabalho conjunto com aqueles espíritos que já se libertaram das suas mais pesadas imperfeições terrenas e que obram pela mais pura vontade de ajudar aqueles que ainda se transviam no caminho ascensional. Quanto a isso, vamos encontrar a resposta dada a Allan Kardec pelos mentores espirituais quando ele questionava se os espíritos já purificados descem aos mundos inferiores (item. 233): “Fazem-no freqüentemente, com o fim de auxiliar-lhes o progresso. A não ser assim, esses mundos estariam entregues a si mesmos, sem guias para dirigi-los.”

Engenheiros Siderais

Como se vê, não há nada de sobrenatural na ação que outras humanidades exercem junto a nós. Aliás, se formos raciocinar sobre o processo de formação da Terra e do surgimento da vida aqui neste planeta, nos ensina o Espiritismo, e conforme aceita nossa razão, que Deus age através dos seus intermediários, dos seus prepostos, ou seja, a vontade de Deus é executada pelos espíritos que já atingiram um estado de pureza tal que é confiado a eles responsabilidades maiores ou menores. Para a Terra ser formada e para que a vida aqui surgisse houve a necessidade da atuação de seres que já haviam atingido um alto grau de desenvolvimento. Estes seres, que algumas vezes são chamados de engenheiros siderais, nada mais poderiam ser que espíritos que evoluíram em outros mundos, não na Terra, pois aqui não havia nada, ainda, muito menos vida inteligente para realizar tal obra. É por isso que devemos encarar a temática com a maior naturalidade possível, caso contrário, continuaremos com o entendimento sobre nossa a história humana limitado.

Não poderia deixar de citar as conversações, chamadas de “Conversações familiares de além-túmulo”, publicadas na Revista Espírita, de Allan Kardec. Gostaria de comentar uma em especial – a conversação mediúnica estabelecida com o espírito Bernard Pallissy, em 9 de março de 1858. Bernard dizia habitar o planeta Júpiter – uma morada planetária muito mais adiantada que a Terra. Dentre as questões feitas a este espírito, ressalto a número 31, onde Kardec pergunta: “Poderíeis nos dar uma idéia das diversas ocupações dos homens (em Júpiter)?”. E o espírito responde: “Seria preciso dizer muito. Sua principal ocupação é encorajar os Espíritos que habitam os mundos inferiores a perseverarem no bom caminho. Não tendo infortúnio a avaliar entre eles, vão procurar onde se sofre; são os bons Espíritos que vos sustentam e vos atraem ao bom caminho”. Mais adiante, na questão 46, Kardec pergunta se ele (Bernard Pallissy) poderia nomear alguns espíritos habitantes do planeta Júpiter que cumpriram uma grande missão na Terra. E teve como resposta o nome de São Luis, que aliás, foi um dos espíritos que contribuíram para a codificação da doutrina espírita.

Os habitantes da Terra ainda alimentam muito medo e preconceito em torno destas questões referentes ao contato de extraterrestres com os terrestres, mas não avaliam os grandes benefícios que podem ser decorrentes deste contato mais direto com seus irmãos que simplesmente não habitam o mesmo orbe. Se hoje em dia é algo comum estabelecermos contato com outras nações, outros países, ou ainda, com espíritos desencarnados, assim será, também, no futuro, o intercâmbio com outras civilizações cósmicas, dentro do nosso próprio sistema solar e até mesmo fora dele. E para isso é só uma questão de tempo.

Superando os preconceitos, os paradigmas e olhando para a vastidão universal como a “Casa do Pai”, reconhecendo nestes “visitantes siderais” verdadeiros irmãos que nos amparam em nossa caminhada, teremos alcançado um estágio de maturidade, compreensão e respeito à harmonia cósmica. Não pretendo dizer, nessas linhas, que a busca humana deve sempre atentar para o exterior, muito pelo contrário, deve procurar o conhecimento de si mesma, de sua moralização e da aplicação do grande código de ética cósmica, sintetizado por Jesus em seu Evangelho e pelos grandes missionários divinos que aqui encarnaram com o objetivo de despertar o homem para a sua verdadeira natureza espiritual.

.

.

=======================================
Links Patrocinados

Publicidade de Alto Alcance e de Baixo Custo por R$ 40,00 anuais*
http://www.anuncieamarelasinternet.mition.net

Mição Lojas Virtuais – Compare preços e compre onde for mais barato!
http://www.lojasvirtuais.mition.net

Mição Telemensagens – Envie Telemensagens pela Internet
http://www.telemensagens.mition.net

Ganhe, e muito bem,  para usar bons perfumes
http://www.perfumariavirtual.mition.net

Oportunidades Imperdíveis http://www.megarendas.m75.biz/mn.php?user=2791

6 Respostas to “Ufologia e Espiritismo”

  1. Antonio Pereira said

    Sempre tive curiosidade e por que não dizer vontade de saber mais sôbre nossos companheiros que habitam outros mundos. Sempre temos que considerar que eles estejam mais adiantados, tecnica e espiritualmente, e sua intervenção em nosso mundo vai chegar a hora que deverá ser necessária para evitar que o egoismo e ignorância de alguns, ponham em perigo nosso planeta. Assim, considero, lògicamente, que nosso planeta não seja o único mundo habitado. Sempre nossos irmãos de outros mundos, deverão ser benvindos entre nós. Que evoluamos cada vez mais para entender o legado que nos passarão.

  2. olavo said

    passei por varias experiêcias. recorri às casas espíritas perguntando sobre abdução. não tive resposta. tive que aprender sozinho. tenho um trechinho no meu hort olavo.ufologiabangu@bol.com.br

  3. […] Dizem que são seres humanos que chegaram a um estágio superior de evolução (como esse blog aqui https://mition.wordpress.com/2009/03/26/ufologia-e-espiritismo/) ou dizem que são seres vivos que evoluiram de outras estruturas biológicas  igual a evolução […]

  4. G M B said

    Acreditem, todo o avanço tecnológico existente e por vir,com certeza, não evoluiu com o macaco. O espiritismo apenas foi usado como meio termo entre dois planos diferentes.

  5. JOSE ANTONIO MARAGON said

    A estrela mais proxima de nos fica a 4.2 anos luz de distancia e nenhum objeto voador consegue viajar a velocidade da luz pois se desentegraria. somos realmente filho da evoluçao feitos das mesmas materias subatomicas, os atomos, sendo assim podem cantar podem sorrir sedes felizes seus imortas. Quanto vida em outro planeta tudo isso e possivel, mas jesus cristo nao e literalmente o filho de Deus como dizem por ai.

  6. olavo said

    As: ufologia
    de: Olavo Guimarães .
    Para

    Estou escrevendo este livreto, por vários motivos e um deles é deixar um registro de muita coisa que se passou comigo, e os extraterrestres na minha casa em Bangu Rio de Janeiro.

    Estava trabalhando, em 14/09/2002 no meu bar em um dia muito tranqüilo, quando os extraterrestres, fizeram o contato comigo por telepatia, levando me para minha casa, mais especificamente no meu quarto, colocaram me sentado na cama, e começaram a falar comigo por telepatia, reprovando me, por que eu não estava dando atenção para o que eles estavam fazendo comigo, me comunicaram que eu deveria estudar mais e falar sobre eles para a população.
    A cobransa foi maior mas noa anotei na hora esquesi muita coisa
    Por isso estou aqui, espero que este depoimento ajude, outras pessoas a fazerem o mesmo, e assim contar também suas experiências.

    TUDO COMEÇOU EM 1982

    Comigo começou como acontece com algumas pessoas, com um avistamento de algumas luzes, foi assim no ano de 1982 chegando de um baile, encostei o carro na calçada de minha casa e estava caminhando em direção ao portão de entrada, quando no meio do caminho, uma luz azul muito forte apareceu e desapareceu.Fiquei parado pensando de onde teria vindo àquela luz, pensei até que um transformador havia estourado, mas não escutei barulho algum.

    Era madrugada entre 3:00 e 4:00 horas da manhã, só havia eu na rua, quando de repente surgiu de novo esta luz azul, agora por mais tempo, demorei um tempo para perceber de onde vinha, ela estava vindo de dentro das nuvens e variava em outras cores, fiquei observando esta luz durante 5 a 10 minutos.

    O incrível foi quando a luz se apagou, parecia que eu havia voltado a mim naquele instante. Fiquei parado ainda pensativo quando notei que havia uma porta aberta na minha esquerda, fui ver se havia alguém ali e vi que um rapaz também viu tudo.

    O rapaz me perguntou: Você viu também?

    Respondi: Vi sim!

    Aí ele me disse: Será que era um disco voador?

    Eu fiquei em silêncio.

    Conversamos por alguns minutos, depois entrei em casa e fui dormir.

    Passados 1 ou 2 dias falei com meu pai sobre o acontecimento buscando uma explicação, mas meu pai me aconselhou a não comentar com ninguém pois as pessoas poderiam rir de mim, e me expor ao ridículo, então decidi não comentar este assunto com mais ninguém.

    Entre 20 e 30 dias após o avistamento, passei a sentir alguma coisa na minha canela direita, ela começava a inchar, dar fisgadas e latejar. Alguns dias após, ela desinchava e voltava ao normal.

    Isto me preocupava muito, mas acabei me acostumando. Aliás este caroço aparece até hoje (17-02-2006). Só mais tarde fui entender o porque.

    1996 – O DESPERTAR

    Minha vida começou a mudar a partir do dia 7 de Setembro de 1996.

    Quando acordei entre 6:00 e 7:00 horas da manhã, sentei-me na cama assustado lembrando de ter estado dentro de uma nave, e vendo outra nave do lado de fora.

    Era uma nave muito bonita, fiquei um bom tempo pensando no que estava acontecendo quando de repente senti uma fisgada na minha canela, (o mesmo incomodo que eu vinha sentindo desde 1982).

    Foi aí que descobri que eram eles que haviam estado comigo todo esse tempo.
    De 82 a 96 tentando me desperta para esse trabalho de divolgasao
    Percebi que em 1982 no avistamento daquelas luzes, foi colocado um implante na minha canela, que inchava do dia 7 a 14 de Setembro periodicamente. Entre o dia 14 e 15 os extraterrestres falavam que iriam embora.

    E do dia 15 a 20 do mesmo mês, minha canela ia desinchando, eles falavam comigo por telepatia, que iriam aparecer em algum lugar. Eu ficava prestando atenção na televisão, no rádio, jornal etc… E eles apareciam mesmo.

    Percebi que haviam deixado gravado na minha cabeça, que voltariam no mês de outubro e novamente no dia 7, época que minha perna voltava a inchar.

    Se eles falassem que iriam aparecer em algum lugar até o dia 20, eles apareciam. Foi assim até o mês de Março de 1997. lembro de duas aparisoes uma na terra gaucha hotra no aeroporto de cumbica

    Para mim foi a maneira que eles encontraram, para confirmar que aquilo que acontecia era uma realidade.

    Percebi também que haviam deixado gravado na minha cabeça que voltariam no dia 7 de Setembro de 1997, voltaram no dia marcado recomeçando todo o processo até 1998.

    Lembrei que em algum mês do decorrer do ano 1998 ou 1999 eles mexeram na minha canela, tirando um implante e colocando outro mais sutil.foi assi levantei e vi tres cortes um na palma direita outro na esquerda e um na canela onde tenho um inplante

    A partir daí percebi que eles vinham em qualquer mês, e em qualquer dia, porém sinto agora que o dia 7 é um dia especial para senti-los. Também não preciso mais subir na laje e olhar para o céu, agora eu sinto a presença deles.e vejo eles em forma de luz dentro de casa

    UM ET NO MEU QUARTO
    essa esperiecia tem coisas pessoas que não poço relatar
    Os contatos vinham acontecendo muito rapidamente, um atrás do outro, eu estava aceitando bem a situação que se apresentava até que numa certa noite, acordei de madrugada com um ser extraterrestre, flutuando em meu quarto bem perto de mim. Fiquei encarando ele olho no olho sentindo nitidamente que estava me hipnotizando.

    Lutei desesperadamente para que ele não me hipnotizasse, mas foi em vão, ele venceu, no outro dia quando acordei, fiquei lembrando o que havia acontecido naquela noite. Queria uma resposta para esta situação, e por isso comecei a comentar com outras pessoas o que estava acontecendo comigo.

    Eles me explicaram que não havia perigo, e que nada de mal aconteceria. E eu me tranqüilizei passando a ficar mais calmo, e foi bom porque ganhei alguns amigos.

    Passamos também a fazer reuniões de ufologia de quinze em quinze dias, nas datas mencionadas meus amigos observavam o caroço que crescia na minha canela.

    Fui apresentado a uma pessoa que tinha um grupo de ufologia em um bairro perto daqui chamado Senador Camará.

    Aprendi a fazer relaxamento para os contatos. Depois de sete dias praticando fiz o contato e foi assim constantemente.

    Um dia eu estava bem relaxado quando apareceu só um rosto na minha frente dizendo que arranjasse “outro para firmar”.

    Fiquei sem entender nada e chamei um amigo e contei tudo, e a orientação que ele me deu foi para continuar o relaxamento e aguardar a volta deles. Continuei o relaxamento depois de uns dias consegui fazer contato, foi assim, mentalmente pedi aos extraterrestres para marcar dia hora e local para um contato, fiz tudo corretamente e logo veio um comunicado muito rápido, dizendo que eu tinha que aprender a dominar a minha nave sensor.

    O que pude entender, é que eles falaram para que eu aprendesse a usar minha nave sensor, continuei sem entender nada, e fiquei muito assustado. Parei de fazer relaxamento, pois a situação não estava muito clara para mim.

    Com o passar do tempo obtive respostas e a primeira eu encontrei na bíblia com o pensamento muito forte nesta frase: “Onde estiverem duas ou mais pessoas, ali eu estarei”. Entendi que eles queriam me alertar para uma estrutura energética compatível com a deles.

    E a segunda resposta foi sobre a nave sensor:

    Esta nave sensor seria o espírito, que não estaria preparado para um contato consciente, e o conselho deles foi para que todos nós nos preparássemos para o contato direto com eles.

    PAREI DE COMER CARNE

    Minha vida mudou para melhor depois do dia sete de setembro.

    No início de 1997 depois de um dia de trabalho, chegando em casa fui tomar banho entrei debaixo do chuveiro, e quando a água estava batendo na minha cabeça parei, e fiquei pensando nos ETs.

    Falei para eles mentalmente que, se eles quisessem alguma coisa comigo, que limpassem meu corpo primeiro. No mesmo dia quando dormi veio um ser à noite, abriu a minha boca e colocou alguma coisa semelhante a uma bomba de chimarrão, despejando um líquido em minha garganta.

    Dois dias depois parei de fumar, depois parei de beber, e na seqüência de comer carne vermelha. Fiquei mais sensível e comecei a percebê-los quando estão próximos de mim.

    Passei 4 anos sem comer carne vermelha. Fiquei sem comer peixe e frango também, entre os anos de 2002 e 2003 eles limparam o meu corpo tirando meus vícios atualmente só como legumes e verduras. Passei a ver naves, alem de senti-los bem próximo.

    AVISTAMENTO DE JUNHO DE 1997

    Em um domingo do mês de junho de 1997 na laje de minha casa, estava soltando pipa quando de repente vi no céu um objeto. Estava muito alto, a uma grande distância, era redondo parecendo um balão, não me importei e continuei soltando pipa, olhei mais uma vez e notei que o balão estava mais baixo, olhei de novo e fiquei assustado. Já dava para identificar que era um disco voador caindo em minha direção.

    Comecei a gritar: “Olha o que está caindo aqui”, todos olharam para cima perguntando “o que era aquilo”.

    Nesse momento o objeto parou e foi virando devagar, vi que era uma nave em forma de charuto muito grande. Ela parou por alguns segundos e depois foi saindo devagar em direção ao Mendanha. “Todos à minha volta ficaram de boca aberta”.

    A ESTRELA QUE ANDAVA “GETÚLIO”

    Depois de um dia de trabalho muito corrido, coloquei uma cadeira do lado de fora do meu bar, e ali fiquei apreciando a noite que estava muito bonita, com o céu todo estrelado, de repente uma estrela começou a chamar-me à atenção, era muito brilhante e soltava uns raios para baixo. Interessante que esta estrela parecia estar bem mais baixa do que as outras fiquei admirando o brilho dela quando de repente ela deu um giro em volta dela mesmo.

    Levei um susto e pensei comigo mesmo que estrelas não faziam este movimento, minha atenção redobrou.

    De novo ela começou a se mexer do mesmo jeito e neste momento senti que minha cabeça estava balançando. Assim encostei minha cabeça na madeira para me sentir firme e continuei observando, vi que a estrela se mexeu novamente, neste momento vinha chegando meu amigo Getúlio e disse a ele:

    “Getúlio olhe para cima! Você vê aquela estrela? Eu acho que ela está se mexendo…”.

    Getúlio respondeu: “não estou vendo ela se mexer”.

    Insisti: “Preste atenção, olhe bem”.

    Foi quando ele afirmou: “Agora vi, ela está mexendo”.

    Depois deste movimento a estrela saiu andando bem devagarzinho em direção a serra do Medanha.

    Getúlio me perguntou: “o que era aquilo”, “se era uma estrela ou uma nave”.

    PARECIA UM CARRO SEM CAPOTA

    Um dia acordei, lembrando de um sonho.

    Sonhei que estivera dentro de um sítio com alguém segurando minha mão esquerda.

    À minha volta havia à esquerda um portão grande e à direita, uma casa, à direita da casa havia uma floresta, e na freta da casa havia um veículo que parecia um carro sem capota.

    Estava olhando quando de repente saíram pessoas de dentro da casa e entraram neste veículo estranho.

    Nisto ele saiu voando baixo, mais ou menos uns 4 metros de altura, foi em direção à floresta e nela entrou.

    Ao mesmo tempo veio uma nave muito rápida que parou na minha frente, levei um susto muito grande. Senti-me como um invasor ali naquele local.

    Dentro daquela nave havia um ET bem pequeno que começou a conversar comigo deixando-me à vontade. Aí relaxei e conversei alguns minutos com ele.

    Essa conversa ficou por alguns dias em minha lembrança, depois esqueci tudo.

    Esta nave era do tipo funil e tinha entre 1,20 a 1,50 metros. Não tinha cobertura e o ET estava deitado pilotando a nave enquanto conversava comigo que estava em pé, a nave flutuava na minha frente.

    UMA NAVE EM CIMA DA MINHA CASA (PIZZA)

    Certa vez foi dormi, como de costume no meu quarto, especificamente na minha cama, e entre quatro e cinco da manha, acordei na laje da minha casa, e ao olhar para cima, vi uma nave semelhante a uma enorme pizza.

    Cada pedaço era de uma cor, um era branco e outro marrom claro.

    Lembrei de ficar observando a nave ir embora e de como fora difícil ela sair daquele lugar, pois estava entre um prédio e um jameloeiro.

    Ela havia dado umas “balançadas” tal como um carro ao sair do estacionamento.

    Vi a nave dar uma virada e ir embora.

    Assisti àquela confusão e quando levantei, estava meio tonto e ao mesmo tempo contente.

    Desci as escadas bem devagar, entrei em casa ainda tonto e pensando como contaria este fato para meus familiares. Sabia que ninguém iria acreditar em mim.

    Contei esta abdução para algumas pessoas, mas foi muito ruim e eu fiquei muito triste.

    Passei um bom tempo sem falar em extraterrestres.

    Depois vinha a vontade de falar deles, e cada vez que falava eu me machucava.

    Fui me acostumando com isso e hoje eu não ligo para o que vão dizer nem se vão rir de mim, hoje se tornou uma coisa bem natural pó que estou aqui falando de nossos irmãos do espaço.
    Sei como me devolverao mas noa sei como fui retirado de casa
    UMA TELA NO MEU QUARTO

    Teve uma época na minha vida que eu fazia contato com os meus irmãos do espaço muito facilmente. Não sei por que, mas bastava pensar neles e eles vinham, lembro de um dia quando eu deitei e fiquei pensando neles, pedi um contato e eles vieram na seguinte forma:
    hoje eu sei porque eles me visita porque só um deles aqui na terra 29/08/2010
    Entrou uma luz no canto da minha vista e eu me vi dentro de uma nave com um ser segurando a minha mão, não via quem a estava segurando, foi assim, Olhando o canto da parede e vi uma tela parecida com uma tela de televisão.

    Depois eu me vi entrando nessa tela que já não era mais uma tela e sim, a porta de uma nave. Eu estava entrando nessa nave quando parei na entrada e fiquei observando tudo o que havia nela.

    Vi cinco seres sempre andando para lá e para cá, mexendo em painéis e vi também um janelão antes do painel. Um detalhe sempre que estou dentro da nave vejo essas janelas elas são em forma de arco

    Depois fui para uma outra porta que dava para um corredor bem estreito, descendo para outro mais largo.

    Neste corredor, havia bastante gente circulando para lá e para cá, eram seres da Terra e seres do espaço.

    Olhei à minha direita e vi um buraco negro com um corredor ao lado, onde poucas pessoas passavam.

    Lembro que os extraterrestres ficavam me olhando muito na entrada, também neste dia lembro de haver me levantado muitas vezes para ir ao banheiro.

    Era assim: Recordava do que estava se passando dentro da nave, ia ao banheiro, deitava e começava tudo de novo de onde havia parado. Levantei umas cinco vezes sempre lembrando de onde havia parado o sonho. Obiservasao lembro como eles me retirarao de dentro de casa mas não lembro como me devolverao

    SONDA EM CIMA DA ESTAÇÃO

    Nesta época tive muitos avistamentos:

    Um deles foi uma sonda em cima da estação, Olhei e vi uma estrelinha muito pequena, muito azul, ela mexia na vertical e na horizontal, formando uma cruz.

    Quando notei que não era estrela, chamei algumas pessoas para vê-la também, mas, para minha surpresa, ninguém via essa estrela. Eles perguntavam, eu mostrava, mas não adiantava, só eu via.

    Tive tempo para pensar em alguma coisa. Eu comecei a pedir a eles por telepatia para irem para a direita, depois para a esquerda, depois para cima, depois pedia para parar no meio, formado uma cruz.

    Era um objeto inteligente. Quando chegou minha irmã, vi que ela conseguia vê-la também.

    Pedi uma confirmação perguntando a ela para onde a luz estava indo, e ela falou: “Para a direita”.

    “E agora?” Disse eu para ela, ela disse“Para a esquerda”, respondendo.

    Então ela também estava vendo aquela sonda que ficou por uns dez minutos antes de sumir das nossas vistas.

    Fui para cima da laje e pensei: “Espero que ela volte”.Pois voltou por mais dez minutos antes de ir definitivamente.

    A HISTÓRIA NEGOU TUDO

    Fui dormir quando de repente me encontrei envolvido inteiramente em uma luz muito branca, parecia que estava preso nesta luz, não conseguia mexer o meu corpo por mais que eu tentasse, só conseguia mexer os olhos.

    Olhava de rabo de olho, e via dois ETs de um lado, e um do outro lado, eu tentava olhar para cima, mas não conseguia.

    Eu lembro de falar que desta vez eu queria ver o que estava acontecendo comigo, mas era inútil.

    Esses três ETs usavam roupas brancas coladas ao corpo.

    A primeira impressão que sentia era de estar sendo puxado para dentro da nave com esses três seres. Obiservasao lembro como começo mas não lembro como termino

    AVISTAMENTO EM JUNHO DE 2001

    Sempre em tempo de pipa tiro um tempo à tarde para empinar pipas. Num desses dias tirei um tempo à tarde, já tinha cortado muita pipa quando começou a escurecer, as cinco e meia da tarde estava olhando para a pipa quando avistei uma nave.

    Ela apareceu do nada cruzando o Pico da Pedra Branca em sentido do Guandu. Olhei para baixo para ver se tinha alguém para mostrar, mas não havia ninguém.

    Olhei outra vez esta nave quando ela andou mais um bocado sumindo depois e deixando um clarão redondo azul e uma luz vermelha no meio.

    Foi muito rápido este avistamento. Foi muito bom e me deu um arrepio no meu corpo.

    CARA DE CAVALO

    Um amigo me orientou que tivesse sempre a meu lado papel e caneta para anotar as coisas que estavam acontecendo.

    Depois que todo mundo foi dormir apaguei a luz, coloquei a caneta em cima do caderno e após um bom tempo, deixei deslizar a caneta sobre o caderno.

    Acendi a luz e para minha surpresa havia dois desenhos.

    Um tinha o formato de um morro com algumas ondulações, e o outro desenho era um morro na forma de uma nave.

    Quando terminei sabia que tinha que subir a serra do Mendanha em (Bangu) para achar o local destes desenhos.

    Também sabia que esses morros eram atrás do Pico da Pedra Branca.
    Após a psicografia, peguei uma cadeira coloquei embaixo da lâmpada, e hoje eu sei por que a lâmpada queimava sempre.

    Passados alguns minutos senti alguém colocar algo no meu ouvido e empurrá-lo lá para dentro, fiquei bem quieto e em alguns minutos abri o olho e tentei olhar de rabo de olho, mas não vi nada.

    Fiquei ali mais um pouco e depois fui para a cama me deitar, ali mesmo começo tudo de novo, ainda acordado.

    Continuando deitado pensando neles, pedi para visitar o planeta, ou a base deles, e de repente ainda acordado, vi entrar uma luz na minha vista do lado direito.

    Tudo foi muito rápido, na mesma hora me encontrei numa fila onde eu era o terceiro e atrás de mim haviam mais dez pessoas. Mais atrás ainda havia uns ETs.

    Esses ETs eram pequenos com cabeça grande, não eram gordos nem magros com aproximadamente 1,20m de altura.

    Olhei para frente e vi um Box onde havia duas garras de ferro para segurar as pessoas que estavam sendo desinfetadas, quando chegou a minha vez, fui até aquelas ferragens, mas elas não me seguraram.

    Eu perguntei por telepatia a eles, por que, e eles responderam que eu era um deles.

    Quando saí do box, fiquei perto da fila onde antes estivera, havia por ali uns bancos com bastante gente.

    Estava olhando quando se levantou uma senhora toda de branco, devia ter uns oitenta anos, ela olhou para mim e perguntou quando eu havia chegado, eu fiquei pensando, mas não tinha resposta.

    Ela falou que estava lá há cinqüenta anos e que iriam devolvê-la, mas não haviam cumprido a promessa até hoje.

    Fiquei olhando para ela um pouco, e depois eles me deixaram muito à vontade para circular lá.

    A seguir atravessei a fila, passei perto dos bancos onde havia um corredor que fui na direção de uma porta aberta.

    A minha direita havia um galpão muito grande, com várias pessoas fazendo exames, caminhando em frente, dobrei à minha esquerda onde havia outro corredor mais largo.

    Ao final havia uma porta grande em frente, mas eu sabia que não poderia abri-la, olhei também à minha direita e também sabia que não poderia ir para lá.

    Fui então para a minha esquerda onde uma abertura dava para o pátio e para outro corredor que levava para o Box, Passei então novamente pela fila pegando o primeiro corredor.

    A seguir entrei naquela sala grande onde fiz vários exames, quando saí de lá tinha um bracelete no meu pulso com um número, saí desta sala e perto da fila do Box, senti meus cabelos balançarem.

    Olhei de onde vinha o vento, vinha do morro aonde haviam duas hélices, uma maior e uma menor, do lado esquerdo tinham algumas pessoas que já haviam morrido aqui na terra, uma delas era um amigo meu.

    De repente ouvi vozes dizendo: “Eles estão voltando de novo e trazendo mais gente”.

    Olhei para cima e vi uma nave parecida com uma que me deixara anteriormente na minha laje, ela estava trazendo mais pessoas abduzidas aqui da terra.

    Depois escutei tiros e todos ficaram assustados falando: “tem alguém fugindo”. Eu vi os seres que faziam guarda lá, eles tinham cara de cavalo. Obiservasao tenho mas a contar mas fica mas fasio peçoalmente pos tenho dificudade para escr ever

    Telefone para contato:

    (021) 87941744 e 97014687

    Endereço eletrônico:
    olavo.ufobangu@bol.com.br
    Olavo.ufologiabangu@bol.com.br orkut

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: